Objetivo do ministério é resgatar a autoestima de profissionais que se tornaram pessoas com deficiência após acidentes em trabalho. O Ministério da Defesa instituiu grupo de trabalho para desenvolver o projeto. “Queremos proporcionar qualidade de vida, desenvolver a autonomia, o equilíbrio emocional e a aptidão física”, explica o brigadeiro Amaral.

Na última semana de agosto, integrantes da Defesa se reuniram com representantes de diversas entidades que atuam na área para levantar experiências, definir focos de interesse, viabilizar patrocínios, verificar acessibilidade de locais de treinamento, deslocamento, entre outros.

O Brasil é veterano em competições esportivas paralímpicas. São 19 anos, 229 medalhas e participação em 22 modalidades, o que alça o país ao posto de 7ª potência do paradesporto.

Também debateram a proposta de inserir a iniciativa nas discussões do grupo interministerial da Defesa acerca de grandes eventos. Em 2016, o Brasil será sede dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, na cidade do Rio de Janeiro.

O projeto vem em boa hora e temos uma ampla gama de possibilidades. As Forças Armadas estão dando passo importante para essa inclusão.

Deixe seu comentário