Como se não bastasse às batalhas diárias enfrentadas pelos policiais, está claro que os detentos, pessoas que agiram contra a lei, “merecem” mais respeito do que eles, que cotidianamente lutam para mantê-la. Por incrível que pareça esta afirmação é real!
No município de Cariús, a 411 km de Fortaleza, detentos foram removidos e direcionados para uma unidade mais confortável, pois na Cadeia Pública estavam com sua segurança física em risco, já que o prédio está inabitável desde 2008. A ação foi realizada após uma determinação da Justiça, que entende como cruel a permanência desses presos no local. Inclusive, no pedido de interdição eles solicitam a reforma ou construção de um novo prédio para manter os detentos “condignamente em segurança”.
O prédio pode desmoronar a qualquer momento, além da “extrema falta de estrutura hidráulica e sanitária”, que colocam “os presos em real risco de morte”. Portanto, o que não se pensou foi que esses detentos precisam de pessoas para vistoriá-los e essas pessoas são os mais de dez policiais que diariamente estão no prédio trabalhando.
Sim, são pessoas! Humanas que, assim como os detentos, também podem perder suas vidas. São pessoas que também precisam estar seguras e confortáveis em seu local de trabalho. Que trabalham dignamente, mas não são reconhecidos. Subentende-se que o que para os detentos é “desrespeito à dignidade da pessoa humana” para os policiais é uma imposição, eles precisam aguentar.
A Associação dos Profissionais da Segurança (APS) repudia a forma com que esses profissionais estão sendo tratados, tendo em vista que eles estão, sem dúvidas, correndo diversos riscos de saúde física e mental, já que trabalham com a incerteza do desabamento. Não é porque são policiais que estão imunes, eles merecem respeito!
#APSLuta #APS4anos #APSSomosTodosNós #Cariús #Respeito

Deixe seu comentário