A Associação dos Profissionais da Segurança (APS) repudia a forma como o comando da Polícia Militar da Paraíba tratou os colegas de farda, sargento Robson Marques e soldado Márcio Alexandria, condenados à prisão; e cabo Marcel Eugênio, ao regime de detenção, por discordarem do serviço de custódia de presos.  Em pleno século XXI os abusos e a mordaça ainda parecem ser a visão que superiores têm de subordinados nas fileiras da Polícia Militar.

O fato considerado motivo para a punição dos três policiais exemplares? A publicação de um vídeo de agosto desse ano, informando aos demais companheiros sobre a recomendação do Ministério Público da Paraíba de que a guarda de presos civis em hospitais não era uma obrigação dos policiais militares. Presos unicamente por se expressarem.

A sindicância, publicada em 18 de novembro, determinou a punição dos três pela produção e divulgação do vídeo. A APS se solidariza com os policiais militares paraibanos Marques, Alexandria e Marcel. É inconcebível em um estado democrático que pessoas não possam expressar suas opiniões, que tenham o direito legítimo de ir e vir cerceado pelo simples fato de serem policiais militares e emitirem uma opinião. Uma afronta aos direitos mais básicos, tanto o de expressão como o de locomoção.

No Ceará a APS vem alertando ao comando da PM sobre o mesmo problema. Policiais militares, que deveriam realizar o policiamento ostensivo, ficam custodiando presos em hospitais como o IJF. Um prejuízo à população, que conta com menos policiais nas ruas. Além do desvirtuamento das funções, os PMs ainda são submetidos a condições insalubres de trabalho. Reforçamos aqui o pedido ao comando para rever esta atribuição que nem dos policiais militares deveria ser. O próprio comando e a população ganhariam com mais policiamento nas ruas.

Esta visão, inclusive, foi a que serviu de base para a recomendação do ministério público paraibano. Somente a guarda de policiais e bombeiros militares é que deveria ser realizada pela PM.

 

CONFIRAM ABAIXO O VÍDEO QUE RESULTOU NA PRISÃO DOS PMS

Deixe seu comentário