Em resposta à solicitação da Associação dos Profissionais de Segurança (APS), as Comissões de Direitos Humanos e Militar da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) realizaram na última terça-feira (25), uma inspeção na cadeia pública do município de Crateús. Ao solicitar a inspeção o objetivo da APS foi analisar as condições de infraestrutura do local, de trabalho e também de segurança.

No mesmo prédio da cadeia pública funciona, atualmente, o Batalhão da Polícia com 206 presos e apenas um agente penitenciário está designado para dar suporte a todos os presos. Após a visita, os membros das comissões concluíram que realmente a situação é de calamidade. O ambiente é de insegurança, pois a polícia e os detentos dividem o mesmo espaço.

“As condições de trabalho para os policiais são precárias e extremamente vulneráveis. Esperamos que uma medida seja adotada para sanar esse cenário de descaso”, destacou o presidente da Comissão de Direito Militar e também advogado da APS, Marcus Luna.

Segundo a Ordem, as comissões produzirão um relatório com a situação detalhada do local solicitando providências. O documento será enviado a Secretaria de Justiça do Estado (Sejus), Secretaria de Segurança Pública do Estado, Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e Ministério Público do Ceará (MP-CE), entre outras autoridades competentes. A APS agradece a OAB pelo excelente trabalho e deixa claro que não vai se contentar enquanto as medidas não forem tomadas.

Deixe seu comentário