Após mais de 3 anos de cobrança da Associação dos Profissionais da Segurança (APS), o governador Camilo Santana anunciou, durante a sua transmissão ao vivo, na tarde desta terça (12/12), em sua rede social, a convocação de 245 homens segunda turma do concurso do Corpo de Bombeiros do Estado do Ceará. A APS cobrou das autoridades alguma atitude, pois o quadro atual deveria, por lei, ser formado por 3.820 profissionais e não por menos da metade. Está nítido que o efetivo se mantém incompleto e são mais de 900 candidatos aptos para assumir.

O Corpo de Bombeiros do Ceará possui menos da metade do contingente que deveria. Atualmente, estão ativos apenas 43% do total indicado pela lei que regulamenta o efetivo da instituição, que prevê um quadro formado por 3.820 profissionais.

A consequência desse déficit já é constatada nas ações da corporação, conforme o presidente da APS, Reginauro Sousa. “A equipe de combate à incêndio, que era composta por dez homens, hoje tem apenas quatro. Se você tiver uma ocorrência em Fortaleza, hoje, todo o efetivo da Região Metropolitana é enviado, deixando outros municípios descobertos”, detalhou.

O Corpo de Bombeiros também sofre com a falta de equipamentos. A plataforma móvel de combate a incêndio e para salvamento não possui o cesto de segurança aos bombeiros. As viaturas que circulam pelo Interior do Estado estão em situação precária e muitas delas não possuem o desencarcerador veicular, equipamento necessário para cortar ferragens no resgate de vítimas de colisões. “(Faltam) até Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), como roupas próprias para mergulho em águas contaminadas ou utensílios básicos, como luva, capacete e capas”, complementa o presidente da APS.

Deixe seu comentário